Oitava temporada de Games of Thrones: o inverno chegou, afinal

A famosa saudação da família Stark — “the winter is coming” (o inverno está chegando) — torna-se realidade na oitava temporada de Game of Thrones.

Após um hiato inesperado pelos fãs, a HBO volta a ser o centro das atenções. Todos os domingos, com sessão especial às 22:00h e reprise 00:00h, a disputa pelo trono de ferro alimenta o público e promove emoções intensas.

Se você já acompanhava, provavelmente esteja a par de todas as novidades da oitava temporada de Game of Thrones. Mas se não, este artigo é especialmente para você. E fique tranquilo: nada de spoilers aqui.

A série

Game of Thrones é uma adaptação para TV da coleção de livros de George R. R. Martin “A Song of Ice and Fire” (uma música sobre gelo e fogo).

Num mundo paralelo, constituído pelos continentes Westeros e Essos, diferentes famílias lutam por soberania e pelo famigerado “trono de ferro”, que dá, àquele que o ocupa, poder e direitos sobre os sete reinos.

Algumas famílias — com seus imponentes brasões — protagonizam a disputa: os soberbos Lannister, os mágicos Targaryen e os leais Stark.

Como trata-se de um mundo fantasioso, as estações do ano ocorrem de modo diverso aos nosso. Longos verões de prosperidade — que podem durar décadas — são devastados pelos inversos, de frio e escuridão.

E, nos invernos, um perigo maior ronda os castelos: os white walkers (caminhantes brancos).

Criada por David Benioff e D. B. Weiss, Game of Thrones caiu nas graças da audiência imediatamente.

Mortes inesperadas, roteiros explosivos, cheios de conspiração e heroísmo, sua primeira veiculação foi em 2011. De lá a cá, os acontecimentos de Westeros tornaram-se preocupação para muitos brasileiros. E com motivo

A oitava temporada de Game of Thrones

Não seria, já, possível mencionar o que passou. E nem valeria a pena. Tudo, desde a primeira cena do primeiro episódio, manifesta-se como parte do todo.

Nada é desconexo ou absolutamente desnecessário. Nada é “puro improviso”.

Agora, na oitava temporada — e isso até pode soar como spoiler —, duas guerras imensas batem aos portões. Na primeira (já disponível nos três episódios veiculados), Winterfell — o castelo dos Stark — torna-se palco da guerra contra os mortos.

O rei da noite, dono de um exército imparável e de um dragão amaldiçoado, ameaça destruir todas as casas, tomando para si o mundo.

Uma segunda guerra, ainda mais majestosa que a primeira, promete definir quem ocupara o trono de ferro, em King’s Landing (porto real). Cersei Lannister, obcecada com o poder, terá de enfrentar o exército restante e, mais que isso, os dragões de Daenerys Targaryen e a fúria apaixonado de Jon Snow.

Primeiras impressões

Sendo a temporada final, metade do enredo já está diante de nossos olhos. O que virá promete ser ainda melhor.

No primeiro episódio, lançado há três domingos, não houve frase que se pudesse criticar. Tudo foi perfeitamente desenhado para sanar dúvidas e apresentar horizontes.

Na sequência, houve uma pequena queda dramática — esperada — para preencher de sentido o terceiro episódio. Este, tido como a maior e mais bem produzida batalha do cinema e televisão, arrancou gritos e lágrimas de muita gente.

Há outros três episódios em vista, e ninguém quer perder. Apesar das críticas apressadas, que mencionam o ambiente lúgubre e as cenas de escuridão, todos estão torcendo pelo melhor desfecho.

Veja também: Homem Aranha no Aranhaverso

Um grande conselho

Sou crítico de séries, enquanto costumam se esticar por tempo demais. Porém, mesmo sendo, me apaixonei por esta e, mais do que isso, não consigo não acompanhar cada um dos episódios da oitava temporada de Game of Thrones.

Sei que muita gente resiste, afinal cavaleiros, zumbis e dragões, juntos, aparentam não valer a pena. Mas, mais do que isso, há um universo inteiro a se considerar.

Game of Thrones, sem sombra de dúvida, mudará os anais da televisão. Ninguém, nunca mais, ousará explorar a fantasia de modo superficial e grosseiro.

Se você ainda não assiste à série, deve repensar. Se começou e, mais tarde, deixou de acompanhar, deveria voltar. É possível assistir se você é assinante da HBO ou se escolheu HBO GO como seu cana de streaming. Ou sempre haverá uma opção como o https://filmesviatorrents.biz/

De tudo que poderia dizer, fica a frase de mais efeito: Game of Thrones não se parece com nada que já foi feito e, ainda mais, nada futuro se parecerá com Game of Thrones.

Portanto, deixe de preguiça e vá assistir à melhor série fantástica jamais feita.