Empréstimos para aposentados: Entenda como funciona o empréstimo para aposentados

Empréstimos para aposentados: Entenda como funciona o empréstimo para aposentados

Pessoas que trabalharam por sua vida toda e já chegaram na fase de aposentadoria, com objetivo de cuidar da saúde, aproveitar o tempo após uma vida toda de trabalho, com certeza podem ter objetivos financeiros, sonhos e podem precisar de um empréstimo para dar um empurrãozinho nesta conquista.

Saiba que empréstimos para aposentados normalmente são excelentes negócios, tanto para a instituição financeira, quanto para os aposentados tomadores de crédito, já que essas operações costumam ter taxas de juros muito atrativas quando se comparadas com operações para o mercado em geral.

Essas condições diferenciadas nos empréstimos para aposentados normalmente são oferecidas através das famosas operações de crédito consignado, que basicamente são empréstimos para aposentados, que possuem as parcelas descontadas diretamente no recebimento da aposentadoria.

Esta forma de pagamento é muito boa para instituição financeira, já que não existe risco de inadimplência e o aposentado receberá sua aposentadoria com o valor da parcela diretamente descontada em seu benefício.

A maior vantagem desta operação para o aposentado sem dúvida é a taxa de juro, que devido ao baixo risco da operação são mais atrativas que qualquer outra linha de crédito disponível no mercado.

Um ponto bastante importante é que por segurança financeira dos tomadores dos empréstimos para aposentados, existe uma margem consignável nas operações, onde o valor das parcelas do empréstimo não podem ultrapassar 30% da aposentadoria mensal, desta forma protegendo a renda do idoso.

Os empréstimos para aposentados também estão sendo bastante explorados comercialmente pelas instituições financeiras, portanto a sugestão é que seja sempre contratado com consciência em casos de real necessidade, com planejamento financeiro e principalmente que antes de contratar o empréstimo realize algumas cotações para comparar se de fato as taxas de juros oferecidas estão atrativas e compatíveis com as outras instituições do mercado.

Empréstimos para Autônomos: Entenda como funciona o empréstimo para autônomo

Empréstimos para Autônomos: Entenda como funciona o empréstimo para autônomo

Os empréstimos para autônomos são linhas de crédito especiais para empreendedores. Através deles, é possível conseguir recursos para impulsionar os seus negócios e aumentar o seu faturamento de maneira exponencial.

Mas para fazer um bom investimento é preciso conhecer como funciona esse tipo de empréstimo, assim como as suas principais modalidades. Sem dúvida, com base nessas informações você tomará as melhores decisões.

Como funcionam os empréstimos para autônomos?

Os empréstimos para autônomos são, na verdade, como qualquer outra linha de crédito. A única diferença é que você precisará utilizar uma comprovação de renda um pouco diferente: os extratos bancários.

Mas não é suficiente apresentar extratos de apenas um ou dois meses anteriores. É preciso lotar a mesa do seu gerente com papéis, para comprovar seu comprometimento com a renda variável.

Também há a possibilidade de apresentar a declaração do imposto de renda, além dos contratos e recibos dos seus trabalhos. Confira abaixo os principais tipos de empréstimos para autônomos:

  • Empréstimo pessoal;
  • Cheque especial;
  • Empréstimo com garantia de imóvel;
  • Empréstimo com garantia de automóvel;
  • Microcrédito.

O empréstimo consignado não é possível nesse caso, já que não há a existência de uma folha de pagamento.

Quais cuidados ter ao solicitar os empréstimos para autônomos?

Como os bancos e as financeiras não têm a garantia de que você continuará com renda o suficiente para pagar as parcelas, eles consideram que os empréstimos para autônomos têm um risco elevado e, por isso, cobram altas taxas.

É importante ter o cuidado de analisar os juros em diferentes instituições e modalidades de crédito, para conseguir fazer um bom negócio. Geralmente, quando você dá a garantia de um imóvel ou automóvel quitado, é possível negociar taxas menores.

Por fim, faça pesquisas e consulte a procedência da empresa antes de assinar o contrato dos empréstimos para autônomos, além disso, nunca deposite dinheiro antes de receber o valor solicitado!

Empréstimo Pessoal: O que é um empréstimo Pessoal?

Empréstimo Pessoal: O que é um empréstimo Pessoal?

Em caso de emergências financeiras, o primeiro pensamento de muitas pessoas é solicitar um empréstimo pessoal, mesmo sem conhecer a fundo como funciona este tipo de serviço.

Sendo uma dívida a longo prazo, para não se ter surpresas desagradáveis no futuro, você deve procurar o máximo de informações possíveis sobre este tipo de serviço que bancos e financeiras oferecem.

Por isso, explicaremos o que é empréstimo pessoal, suas vantagens e os principais tipos que existem no mercado.

O que é um empréstimo pessoal?

Um empréstimo pessoal é voltado para quem necessita de dinheiro, sem a necessidade de comprovar qual será a finalidade desse crédito.

Este serviço é ideal para quem precisa de dinheiro extra e de forma rápida,  para resolver algum imprevisto financeiro ou quitar uma dívida com o cartão de crédito ou cheque especial, já que a taxa de juros desses dois serviços são mais altas.

Vantagens de um empréstimo pessoal

Uma das principais vantagens do empréstimo pessoal é a sua contratação rápida e simples, com um pagamento que devem ser parcelas que cabem no seu bolso, com diversas formas para você escolher, seja através de débito automático, boleto bancário ou cheque pré-datado.

Também, é possível escolher a melhor data de vencimento para o pagamento das suas parcelas, de acordo com suas necessidades.

E como já citamos, o empréstimo pessoal é uma forma rápida de conseguir dinheiro, já que após a análise de crédito, em geral de até 24 horas, se aprovado, o dinheiro já ficará disponível para você usar como quiser.

Tipos de empréstimo pessoal que você pode contratar

Quando você procura por empréstimo pessoal, você encontra algumas opções que o mercado oferece, conheça as principais abaixo:

  • Empréstimo pessoal consignado

Opção válida apenas para aposentados, trabalhadores com carteira assinada, servidores públicos e pensionistas do INSS. Esta opção tem como principal característica o desconto das parcelas direto da folha de pagamento.

  • Empréstimo pessoal com garantia

Nesta opção, é preciso ter em seu nome um bem de valor, que pode ser um veículo ou imóvel, para dar de garantia ao empréstimo pessoal.

Ø  Empréstimo pessoal para negativados

é a opção que possui as maiores taxas de juros do mercado, já que é voltado para pessoas inadimplentes.

Essas são as principais informações que você precisa saber sobre um empréstimo pessoal para poder contratá-lo com segurança.

Abrir empresa nos EUA

ABRIR-EMPRESA-EUA

Impostos para investidores não residentes nos EUA, ações, renda, dividendos, juros, imóveis.

ABRIR-EMPRESA-EUA

Em uma das últimas postagens tratadas sobre a questão do  para residentes nos Estados Unidos, nasceram várias consultas sobre impostos que possuem um investidor não residente naquele país. Esta informação pode ser encontrada em detalhes no IRS, deixo os links para os documentos em inglês:

Aqui eu trago um artigo que li há algum tempo, onde o cenário fiscal para este caso é explicado em geral. Imposto sobre não-residente
As regras relativas aos ônus aplicáveis ​​aos não residentes são muitas vezes confusas, complexas e sujeitas a muitas exceções. Portanto, revisaremos apenas as regras mais gerais e as exceções mais significativas a essas regras.Renda de fontes de negócios fora dos EUA
A renda de um estrangeiro não residente que não está efetivamente conectado com a busca de abrir empresa nos EUA. eles são geralmente isentos de renda, a menos que sejam provenientes de fontes localizadas nos Estados Unidos. e pode ser definido como “renda ou lucro fixo, periódico e anualmente determinado” (também conhecido como FDAP). Essa definição inclui salários e indenizações, juros, dividendos, renda e royalties recebidos de fontes norte-americanas, mas não ganhos de capital ou outras receitas geradas pela venda de propriedades. O imposto sobre rendimentos ou lucros fixos, periódicos e anualmente determinados é aplicado a uma taxa fixa de 30% e é normalmente cobrado pelo contribuinte, que retém esse imposto de um estrangeiro não residente e o remete ao Departamento de Impostos (IRS). O imposto é aplicado aos montantes brutos de rendimento, o que significa que as deduções não podem chegar aos montantes sujeitos a imposto. O método do imposto retido na fonte reflete a dificuldade na cobrança de impostos de estrangeiros não residentes, que muitas vezes não estão fisicamente localizados dentro do país ou vinculados aos EUA. por residência ou assuntos comerciais. que muitas vezes não estão fisicamente dentro do país ou ligados aos EUA por residência ou assuntos comerciais. que muitas vezes não estão fisicamente dentro do país ou ligados aos EUA por residência ou assuntos comerciais.

Ao não permitir descontos de custo, o imposto retido muitas vezes se torna confiscatório. Por exemplo, a proibição de despesas de depreciação muitas vezes significa que 30% calculados sobre montantes brutos geralmente excedem 30% do lucro líquido. Em certos casos, o imposto retido na fonte pode até ser aplicado apesar do fato de que o estrangeiro não residente não declara qualquer receita!

Os Estados Unidos introduziram uma série de exceções às regras descritas acima. Por exemplo, há isenções para certos tipos de receita de juros, e estrangeiros não residentes podem, em circunstâncias limitadas, pagar 30% sobre ganhos de capital, mesmo que a regra geral indique que tais lucros estão isentos. deste imposto retido na fonte.

Salários, salários e compensação

Os salários, vencimentos e subsídios de fontes norte-americanas estão incluídos na renda ou fixos, determinados lucros regulares e anualmente, e sempre que um estrangeiro não residente notá-los sujeitos a 30% retido na fonte, ou retido na fonte salários como acontece com cidadãos e residentes dos EUA. Salários, salários e indenizações serão de fontes norte-americanas se os pagamentos estiverem relacionados a serviços realizados dentro do território dos EUA. Se a compensação para um não-residente não exceda US $ 3.000 em um ano fiscal, é considerado a partir de fontes estrangeiras, e não está sujeito a retenção na fonte se o não residente está presente nos Estados Unidos em uma base temporária; o não-residente não está presente nos Estados Unidos por mais de 90 dias durante o ano fiscal; e o empregador é um estrangeiro que não tem nenhum contato comercial com os EUA, ou é uma dependência estrangeira de um empregador dos EUA. Note-se que, devido à prestação de serviços nos Estados Unidos geralmente leva à existência de um comércio ou negócio, os pagamentos para tais serviços não são frequentemente sujeitos a retenção na fonte e em vez disso são tributados de acordo com as normas fiscais (ver abaixo).

Bolsas de estudo e financiamento para estudantes e pesquisadores estrangeiros

O imposto a ser aplicado em bolsas de estudo e financiamento a estudantes estrangeiros não residentes e pesquisadores que estejam temporariamente nos Estados Unidos sob vistos de não-imigrante F, J, M ou Q estará sujeito a impostos retidos na fonte. No entanto, a alíquota do imposto será reduzida para 14%. Geralmente, as bolsas e financiamentos não são tributáveis ​​desde que sejam usados ​​para despesas justificadas, incluindo mensalidades e taxas, mas os valores usados ​​para as despesas correntes podem ser tributados.

Receita de juros

O imposto de renda de juros é talvez a área mais confusa de renda ou lucro fixo, periódico e determinado anualmente. Geralmente, 30% do imposto retido na fonte é aplicado ao valor bruto da receita de juros recebida por um estrangeiro não residente. No entanto, os Estados Unidos são uma espécie de “paraíso fiscal” se falamos de receita de juros. Existem vários tipos de interesse que o Congresso dos EUA isentou de impostos, incluindo: juros sobre a carteira de ações e juros sobre depósitos em bancos dos EUA. Essas isenções permitem que não-residentes empreguem grandes quantias de capital a cidadãos americanos sem ter que pagar nenhum imposto sobre os juros resultantes.

Isenção de juros para carteira de ações

A isenção de juros para a carteira de ações foi originalmente colocada em operação para permitir que empresas norte-americanas participassem diretamente do mercado europeu de títulos. Se não fosse por essa isenção, seria difícil para as empresas norte-americanas negociarem obrigações dos EUA. nos mercados internacionais, uma vez que os titulares de títulos internacionais querem garantir que eles não podem estar sujeitos a retenções fiscais nos EUA.